Perfil do Egresso

O Enfermeiro egresso da Faccat estará habilitado a conhecer e a atuar na promoção, recuperação e reabilitação da saúde e na prevenção da doença nas dimensões individuais e coletivas e de acordo com as demandas nacionais, regionais e locais, identificando as dimensões biopsicossociais dos seus determinantes e agindo com responsabilidade social e compromisso com a cidadania, como promotor da saúde integral do ser humano.

A formação do enfermeiro proposta nesta IES pretende dotar o profissional enfermeiro dos conhecimentos que fundamentam as competências e habilidades gerais e específicas contidas nos artigos 4º e 5º das Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem, quais sejam:

Competências gerais

I - Atenção à saúde: os profissionais de saúde, dentro de seu âmbito profissional, devem estar aptos a desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo. Cada profissional deve assegurar que sua prática seja realizada de forma integrada e contínua com as demais instâncias do sistema de saúde, sendo capaz de pensar criticamente, de analisar os problemas da sociedade e de procurar soluções. Os profissionais devem realizar seus serviços dentro dos mais altos padrões de qualidade e dos princípios da ética/bioética, tendo em conta que a responsabilidade da atenção à saúde não se encerra com o ato técnico, mas com a resolução do problema de saúde, tanto em nível individual como coletivo.

II - Tomada de decisões: o trabalho dos profissionais de saúde deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões, visando ao uso apropriado, eficácia e custo-efetividade da força de trabalho, de medicamentos, de equipamentos, de procedimentos e de práticas. Para esse fim, devem possuir competências e habilidades para avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas.

III - Comunicação: os profissionais de saúde devem ser acessíveis e manter a confidencialidade das informações a eles confiadas na interação com outros profissionais de saúde e o público em geral. A comunicação envolve comunicação verbal, não-verbal, habilidades de escrita e de leitura e o domínio de, pelo menos, uma língua estrangeira e de tecnologias de comunicação e informação.

IV - Liderança: no trabalho em equipe multiprofissional, os profissionais de saúde deverão estar aptos a assumir posições de liderança, sempre tendo em vista o bem-estar da comunidade. A liderança envolve compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz.

V - Administração e gerenciamento: os profissionais devem estar aptos a tomar iniciativas, fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho quanto dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a serem empreendedores, gestores, empregadores ou lideranças na equipe de saúde; e

VI - Educação permanente: os profissionais devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática. Dessa forma, os profissionais de saúde devem aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a sua educação e o treinamento/estágios das futuras gerações de profissionais, mas proporcionando condições para que haja benefício mútuo entre os futuros profissionais e os profissionais dos serviços, inclusive, estimulando e desenvolvendo a mobilidade acadêmico/profissional, a formação e a cooperação por meio de redes nacionais e internacionais.

6.2 Competências Específicas

A formação do enfermeiro tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades específicas:

I - Atuar profissionalmente, compreendendo o processo de viver humano em suas dimensões, expressões e fases evolutivas;

II - Incorporar a ciência, a arte e a tecnologia do cuidar como instrumentos de atuação e desenvolvimento profissional;

III - Desenvolver permanentemente sua formação ética, política, técnica e científica, conferindo qualidade ao exercício profissional;

IV - Relacionar-se com o contexto social, reconhecendo a estrutura e as formas de organização social, suas transformações e expressões;

V - Compreender a política de saúde no contexto das macropolíticas;

VI - Reconhecer a saúde como direito e atuar de forma a garantir a integralidade do cuidado, entendida como conjunto articulado e contínuo de ações de promoção e de recuperação da saúde e de prevenção de agravos, individuais e coletivas, em todos os níveis de complexidade do sistema e de acordo com as especificidades regionais;

VII - Atuar nas políticas de assistência integral à saúde da criança, do adolescente, do adulto e do idoso, considerando o gênero;

VIII - Ser capaz de avaliar, diagnosticar e atuar na solução de problemas de saúde, de comunicar-se, de tomar decisões, de intervir no processo de trabalho de saúde, de trabalhar em equipe e de enfrentar situações em constante mudança;

IX - Reconhecer as relações e organização do trabalho e seus impactos na saúde e na qualidade dos cuidados prestados;

X - Assumir o compromisso ético, humanístico e social com o trabalho multiprofissional e interdisciplinar em saúde;

XI - Acessar e usar criticamente inovações tecnológicas;

XII - Atuar nos diferentes cenários da prática profissional, identificando as necessidades individuais e coletivas de saúde, seus condicionantes, determinantes e perfis epidemiológicos;

XIII - Coordenar o processo de cuidar em enfermagem, considerando contextos e demandas de saúde e a articulação às ações multiprofissionais;

XIV - Prestar cuidados de enfermagem compatíveis com as diferentes necessidades do indivíduo, família e grupos sociais;

XV - Gerenciar o processo de trabalho de enfermagem, fundamentado na Ética e na Bioética, em todos os âmbitos de atuação profissional;

XVI - Planejar, implementar e participar do processo de formação e da qualificação permanente dos trabalhadores de enfermagem e de saúde;

XVII - Planejar e implementar ações de educação e promoção à saúde, considerando a especificidade dos diferentes grupos sociais e dos distintos processos de vida, saúde, trabalho e adoecimento;

XVIII - Desenvolver, participar e aplicar pesquisas ou outras formas de produção de conhecimento que visem à qualificação da prática profissional;

XIX - Respeitar os princípios éticos, legais e humanísticos da profissão;

XX - Participar na dinâmica de trabalho institucional, reconhecendo-se como agente desse processo;

XXI - Participar da composição das estruturas consultivas e deliberativas do sistema de saúde;

XXII - Assessorar órgãos, empresas e instituições em projetos de saúde;

XXIII - Cuidar da própria saúde e buscar seu bem-estar como cidadão e profissional;

XXIV - Reconhecer o papel social do enfermeiro e organizar-se politicamente para a defesa dos interesses da categoria e da sociedade.